<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11610014\x26blogName\x3devidence+and+chlorine\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://claya.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://claya.blogspot.com/\x26vt\x3d-5922575046210966920', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

terça-feira, fevereiro 28, 2006

Che Guevara : re-criar o mito


A homenagem ao mito merece uma certeza. A certeza que a história nunca quis dar.

Ler aqui a (in)versão inacabada deste mito.

Memória II

sexta-feira, fevereiro 24, 2006

Memória

Desgraça designada, do sonho e da oportunidade. Pequena ruptura do tempo. Estado completo. Conservação habitada.

segunda-feira, fevereiro 20, 2006

Manifesto pela Liberdade

"Numa democracia, as opiniões só existem na medida em que existe igualmente liberdade para as exprimir, divergir e criticar. Em cada momento histórico, há um determinado universo de valores que só é dominante porque os sujeitos sociais os partilham de uma forma comum e plural. Em regimes autoritários, esse consenso é forçado por via de uma estrutura repressiva que se impõe aos cidadãos. Na generalidade dos países islâmicos, uma religião é aliada desse aparelho coercivo. "
Ler aqui a versão integral do manifesto.

quinta-feira, fevereiro 16, 2006

Pequeno Poema

Halló foss, jokul, lang
Hvers vegna?
Stans november
Fyrirgefou kannski ekki
Býr til regnboga...

quarta-feira, fevereiro 15, 2006

Surtur

Surtur with the bane of branches comes,
from the south, on his sword the sun of the Valgods,
crags topple, the crone falls headlong,
men tread Hel's road, the Heavens split open.
Earth sinks in the sea, the sun turns black,
cast down from Heaven are the hot stars,
fumes reek, into flames burst,
the sky itself is scorched with fire.


Völuspá

terça-feira, fevereiro 14, 2006

Homem





Homem.

As mãos cheias de fogo.

A boca cheia de metáforas.

O olhar cheio de pensamento e loucura.

segunda-feira, fevereiro 13, 2006







Do outro lado do mundo.
Contudo, em lugar nenhum saberemos a certeza.