<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11610014\x26blogName\x3devidence+and+chlorine\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://claya.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://claya.blogspot.com/\x26vt\x3d-5922575046210966920', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

segunda-feira, dezembro 15, 2008

m. (do útero às estrelas)

A.K.

quando o texto é doloroso e dói como doem as estrelas por existirem durante tanto tempo que é o tempo todo e não sabermos nunca o que isso é


este é o momento: o vento passou como se fosse uma vez só a passar. passou entre as árvores e o que está para além das árvores quando estas não são tudo o que é o silêncio, como ele, em silêncio, sempre em silêncio no que está também entre as árvores. o silêncio, entre o que ouço, o que é a música entre o que tem de si própria, é o silêncio sempre, entre o princípio e o fim. o princípio é. como estou a sentir o regresso, este é o princípio, que terá antes o que houver mas nele é o que tenho somente, o princípio em que estou de onde vim e onde sou agora. estou a germinar. estou entre o mundo e o que dele é em mim nele. estou por vezes nesse lugar quando não estou em nenhum lugar que é dele, que eu penso que não é dele, quando o vi antes de ser o que talvez seja, que era onde eu era mais do que o que não tenho hoje como condição pelo que estou, onde estou, e onde mais estava o que não é dele, do princípio, e que ainda assim é a matéria do que ele não é em mim. e continua a estar, paradoxalmente que eu regresso numa condição onde me estou quando não quero estar onde é durante antes do fim, porque não consigo estar a não ser ali, onde eu não estou o que é de mim mas onde sou o que fui antes de ser. compreenda-se no que tem isto de possível entender, o que não se entende das palavras, o que fica delas enquanto elas estão em silêncio, porque estas palavras são as palavras do antes de ser o mundo. estas palavras dizem o que não conseguem dizer, estão no que estão onde elas costumam estar que assim é um pouco o que delas temos. e aí são só o que delas resta, o que delas é possível restar no que não têm nada dentro. são onde eu posso estar, único lugar onde sou, o último lugar das palavras no que elas são de fundamental e onde não se entendem porque são só isso, palavras, diz-nos o referente que delas é não é nada que seja daqui. tenho esta matéria do que não sou, sou esta matéria em artéria quando não sou. e falo dela agora porque falo da origem e a origem está onde não sou, sou onde estou agora. a origem é junto das estrelas, primordialmente diante do que delas sabemos e no que delas não sabemos é o que não sei também mas onde estou a tentar saber quando quero saber tudo porque quero não porque queira mas porque é a minha condição a de ter que saber. e onde estou onde tenho que saber é diante delas. e agora onde estou quando escrevo é como se não estivesse, é como se fossem só as palavras a única e providencial realidade do mundo, antes dessa outra de onde todos viemos. no que vi dele, é belo, muito belo o lugar de onde viemos todos. o que de belo tem a morte também. foi das estrelas que viemos e as que morreram que nos deixaram lugar a nós. é para onde vamos por fim se por fim não existe um fim porque permanecemos como elas enquanto elas.


Etiquetas: