<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11610014\x26blogName\x3devidence+and+chlorine\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://claya.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://claya.blogspot.com/\x26vt\x3d-5922575046210966920', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

domingo, junho 15, 2008

pássaros

Querendo como ser tudo, movimento sem tempo, isso só, nada mais. E outra vez o incêndio por dentro de quanto és e outra vez perguntares por pássaros, eles, à tua volta sempre a voar sem direcção nem coisa nenhuma senão a fome. A fome de tudo terem dentro dos olhos mas sempre ficarem pelo caminho nessa paisagem de entre os dedos, os teus. A tua paisagem submersa dentro da janela para o lugar de ti. Os teus pássaros, aqueles que não vês nem ouves apenas conheces com os olhos fechados que abres para te ver nos pássaros. Caminhos que não a Terra, tu, nos pássaros que não te têm a ti e são a fome, a fome de ver mais noutro lugar sem céu que não o deles. O caminho sem regresso de encontrar outra vez a fome que é dentro de ti. Sempre não voltar. Sempre noite estrelada, cheia de céu sem pássaros.

Etiquetas:

3 Comments:

Blogger Gustavo A. B. said...

Qualquer coisa se pressente, de Sonhos,de quimeras e dos labirintos de pesadelos para que escorregamos quando os perseguimos de forma intrépida, temerária, sem 'braga'. Quando assim é, arriscamos a cair muitas vezes...
Parabéns por tudo o que é teu, de ti mesma, e obrigado!... continua sempre!

22 junho, 2008 18:13  
Blogger sandra g.d. said...

Qualquer coisa que será sempre o teu diálogo com o tempo de que és feito. Cair no próprio tempo e dele derivar depois como sonâmbulos destinos, no acontecer às vezes. Obrigada Gustavo, sempre.

01 julho, 2008 02:30  
Blogger Gustavo A. B. said...

obrigado eu!... sempre, sempre... Ou como disse V.Moraes, infinitamente..

01 julho, 2008 04:04  

Enviar um comentário

<< Home