<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11610014\x26blogName\x3devidence+and+chlorine\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://claya.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://claya.blogspot.com/\x26vt\x3d-5922575046210966920', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

quarta-feira, junho 11, 2008

fábula (ensaio)

andamento primeiro: invocação de dentro da terra

O teu dia debaixo do sol não raiou porque te prometeste à noite que ainda agora não sabes o que será. A chuva não entrou na terra porque te esqueceste que o chão era a conclusão do céu. Não encontraste o teu próprio rosto porque te serviste dele para seres tu no tempo. O teu milagre não foi espanto porque sucumbiste às leis da terra. Perguntam-te: o que sobra de ti no momento instante em que não és as palavras?

andamento segundo: exortação do silêncio

As palavras cresceram como ramos na tentação de ser o mundo, na tua porta. Abriste a janela que não viste, espreitaste por dentro das palavras que não conhecias. Viste um segredo que não querias ver. As palavras continuaram a crescer até que as vissem outros. Outros as viram como medo. Tu as viste como o derradeiro silêncio que houvera. Tu as recusaste. E escondeste-te e enterraste as palavras, a árvore, o dia, o mundo, tudo enterraste. A ti próprio também.


andamento terceiro: revelação do segredo

Não mais foi manhã nem noite. Sem as palavras, a noite de outra ordem e esfera. Dia, a festa rocambolesca do dia sem palavras e sem ti, enterrado debaixo ainda delas, em silêncio, portanto. A esfera e a ordem de nunca acometer contra ele, o silêncio. O segredo revelado sem palavras, nele próprio. O dia eterno sem as palavras. O mundo feliz sem palavras, em silêncio.

Etiquetas:

2 Comments:

Blogger G. A. B. said...

Intenso e algo enigmático. Como muito daquilo que nos é profundo, e nos alvoroça positivamente!
Não "gostei", apenas. Gosto cada vez mais, a cada nova leitura!... um sorriso grato, para a autora..

12 junho, 2008 01:36  
Blogger sandra g.d. said...

Alvoraçar como a adivinhar o dia antes da noite. A intensidade estará em quem a sente e se faz de si nessa entensidade. Obrigada pelas palavras e pela visita. Um abraço.

12 junho, 2008 02:27  

Enviar um comentário

<< Home