<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11610014\x26blogName\x3devidence+and+chlorine\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://claya.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://claya.blogspot.com/\x26vt\x3d-5922575046210966920', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

terça-feira, fevereiro 17, 2009

C.

se eu visse o que vi, vi isto, com os olhos que sempre ponho e de onde acordo há uma janela que me deixa olhar os olhos dos outros e o que vêem é o que em mim vejo dos outros. tenho de ti, C., este silêncio de noite, ao pé do que têm os outros de ti. C. que podia ser só C., a cidade o lugar em nós primeiro que depois de nascermos é onde o impossível tornando-se possível prossegue como gente sem nome, desse discurso do que então não poderia ser sem ele. podemos nós dentro dos olhos procurar o que sempre quisemos ver e que viram os outros por nós porque viram ver e desde então souberam como era o modo de olhar as coisas de quem vê os outros, os outros que é o de todos às vezes. C. obrigada a ti que me viste e de onde me viste era onde eu estava e soubeste o meu lugar e desse lugar de onde me viste eu soube de mim, o que é importante tanto sabermos onde estamos, não tanto de onde somos para sabermos depois para onde temos que ir, o nosso caminho. soubera dele o lugar dos meus olhos ser o lugar dos olhos do que viste quando me viste quando não me estavas a ver. e viste o que eu vi, como se os olhos não fossem nada, só os olhos de verem o que não podem ver. se vissem, veriam o que os outros vêem de nós nos lugares para onde olhamos quando vemos.

Etiquetas:

4 Comments:

Anonymous Lu said...

Respirá-la todos os dias, com todos os sentidos, por todos os poros.
O nascimento do mundo... ou de ti, que já lhe nasceste mais que uma vez. Em direcção ao sempre, ou a ti...

Sejamos em C...

O nosso abraço

18 fevereiro, 2009 01:40  
Blogger Tyler said...

tanto de ti cidade...
O Abraço

18 fevereiro, 2009 02:12  
Anonymous Actor said...

Presente!

24 fevereiro, 2009 19:59  
Blogger sandra g.d. said...

sejamos em c., no tanto de ti c.

abraço cheio a quem me é
***

08 março, 2009 11:43  

Enviar um comentário

<< Home