<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11610014\x26blogName\x3devidence+and+chlorine\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://claya.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://claya.blogspot.com/\x26vt\x3d-5922575046210966920', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

quarta-feira, julho 23, 2008

estória

(I)
imensamente implicada no acontecer daquele dia, A. decidiu que o tempo seria o que dele nascesse, o que dele não sobrasse como circunstancial. irrompeu como caminho, ele próprio sem modo. não olhou para trás para que a vontade não fosse a mesma de ontem nem jamais a de amanhã. em cada milhar de rostos que fitou, viu o assombro de uma revelação.

(II)
quase de partida outra vez, nos olhos olhados antes, padeceu de um estremecimento que era maior que o seu corpo. habitando o estremecimento na tentativa de o compreender, percorreu todas as ínfimas possibilidades do seu não-caminho para ter a certeza que o conhecia ao outro, o caminho de depois. A. era o estremecimento na pessoa que queria ter um lugar para ir, o ir de não ficar, o ir de saber que era adiante. A. tinha sombra, existia portanto.


Exercício em construção e em diálogo com o trabalho de ilustração de Atsushi Fukui, originalmente publicado aqui (versão texto).

Etiquetas: