<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11610014\x26blogName\x3devidence+and+chlorine\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://claya.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://claya.blogspot.com/\x26vt\x3d-5922575046210966920', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

quinta-feira, novembro 01, 2007

ensaio sobre a leveza (texto sem significado dentro)


Exercício de imaginação e terapia contra as coisas pesadas:

era uma vez a folha de papel vazia, a música que não se sentia, a sombra que não se via, a palavra que não falava, o olhar que não perguntava, a luz que não escondia, o pensar que não revelava, o vento que não agitava, o frio que não gelava, a lua que não minguava, a amizade que não obrigava, a certeza que não duvidava, o fogo que não queimava, a sorte que não traía, o gesto que não tocava, o pedido que não suplicava, o grito que não gritava, a dúvida que não permanecia, a manhã que não repetia, o caminho que não se desviava, o livro que não acabava, a cor que não mudava, o silêncio que não asfixiava, o conselho que não se ouvia, a meta que não se alcançava, o ciclo que não se completava, a liberdade que não proibia, o sorriso que não imitava, a ignorância que não matava, o fim que não começava, o tempo que não devorava, a verdade que não mudava, o sonho que não se concretizava, o homem que não amava, a noite que não partia e a história que não terminava.

Texto originalmente publicado aqui.

Imagem: Casey Williams