<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11610014\x26blogName\x3devidence+and+chlorine\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://claya.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://claya.blogspot.com/\x26vt\x3d-5922575046210966920', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

domingo, março 22, 2009

todas as páginas 13


descobri que as palavras falam umas com as outras, e o que fazem através de todas as páginas 13 de todos os livros do mundo. assim, todas as páginas 13 conversam umas com as outras e são sobre a discussão maior que as palavras têm entre elas e com a qual não temos nós nada a ver com isso, como se uma outra forma de dizer fosse a de dizer o que palavras não nos dizem porque só lhes diz respeito a elas. descubro que o silêncio entre elas é um diálogo entre os livros todos do mundo e que para sabermos o que dizem teríamos que os ler a todos e mais ainda os que hão-de ser escritos. fiquei contente com o que descobri porque me agrada saber que não podemos saber tudo sobre elas como assim não queremos que elas saibam tudo sobre nós. não que se vinguem, que não é essa a língua que falam, mas a sua natureza é a de respeitar que se falem todas umas com as outras sem que saibamos nós que isso se passa. é a forma que têm de nos manter ignorantes sobre elas e assim as respeitarmos também, respeitando assim elas a nossa natureza, mesmo sabendo agora que a cada página 13 que lemos, estamos quase nunca a saber como elas falam umas com as outras e que já é uma forma de saber mais qualquer coisa sobre elas.*


* Texto originalmente publicado em Oficina de Poesia. revista da palavra e da imagem, nº12.

Etiquetas:

1 Comments:

Anonymous Lu said...

o doce sabor do segredo guardado, só de si e de quem o tem...
lindo!...

abraço nosso

25 março, 2009 23:43  

Enviar um comentário

<< Home