<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11610014\x26blogName\x3devidence+and+chlorine\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://claya.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://claya.blogspot.com/\x26vt\x3d-5922575046210966920', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

domingo, março 11, 2007

confronto e probabilidade

A propósito da escravatura em África:

"Até ao séc.XIX todas as nações coloniais praticaram a escravatura. As chamadas colónias de plantação careciam de mão-de-obra adaptada às condições do meio que só podia ser obtida mediante a compra de escravos no continente africano. Os navios empregados no tráfico dirigiam-se aos portos de embarque onde se encontravam estabelecidos os intermediários - os negreiros - que geralmente obtinham as peças [entenda-se, os escravos] por meio de permuta feita com os régulos indígenas, visto estes disporem despoticamente da liberdade e da vida dos súbditos além de possuírem também escravos e de poderem sempre obter mais através de rapina e de guerra com outras tribos. "

Marcello Caetano, Portugal e o Direito Colonial Internacional, Lisboa, 1948, p.46.



"Na generalidade, é a elite das diversas categorias sociais que controla o poder efectivo. Mas essa elite não é livre de fazer o que quer. Deve antes velar pelo respeito dos privilégios socialmente reconhecidos. É todo um sistema montado para a manutenção de um equilíbrio e de uma ordem tradicionais a preservar antes de tudo."

Conclusão do estudo de Pathé Diagné acerca das artes da África negra, citado por José Capela em Escravatura, 2ª ed., Porto, Afrontamento/Bolso/7, 1978, p.94.


Conclusão: uma questão de perspectiva, etnocentrismo, ignorância ou negligência?