<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11610014\x26blogName\x3devidence+and+chlorine\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://claya.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://claya.blogspot.com/\x26vt\x3d-5922575046210966920', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

sábado, fevereiro 10, 2007

mudança


foto: krueger

Então a vontade. E a matéria a abarrotar de pensamentos abrigados no medo de ser diferente.

No céu, apenas a glória jugulada, numa miríade de constelações possíveis e no deserto penoso de um mantimento sem água nem alimento.
À porta, o corpo sem sangue nem oxigénio, à espera da sentinela parceira e do guardador de esperanças.
Na janela, o esboço de um olhar acrescentado pelo reflexo e pela contemplação do efémero.
Por dentro, o interior a disputar intensamente o exterior, e a multiplicação do desgosto, dividido às partes por cada uma das condenações.

Em todo o lado, a convicção da possibilidade penitente, do enlace da noite com o dia, do decoroso com a miragem disso mesmo.

Apenas a transgressão.

No fim, e por isso, o reivindicar, a condensação sujeita, a necessidade, a palidez e o espectro do movimento, a certeza do aditamento, o desarranjo da mudança, a vontade sempre incerta, polémica e fatigante.

Nunca mais tarde, nunca depois. No momento certo.


Texto originalmente publicado em Minguante nº4

0 Comments:

<< Home