<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11610014\x26blogName\x3devidence+and+chlorine\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://claya.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://claya.blogspot.com/\x26vt\x3d-5922575046210966920', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

quinta-feira, julho 16, 2009

fragment of a poem #6



de naturezas falsas

as palavras por essa dor de palavras


do tamanho das folhas de papel

que me mentem

como folhas

de papel vazias

sem dizer


nada


onde estão as folhas,

ou as palavras no lugar

das folhas

que explodem

fragmentos

de outras coisas

palavras

ainda eu possa

em que podia estar.

como uma palavra onde estão

as folhas.

digo,

folhas no meu lugar,

eu no lugar das palavras

mortas

esquartejadas e

levado cada pedaço delas

por

por onde forem as pessoas,

ficaram com elas

que

pergunto onde

foram as pessoas

e

as palavras delas.

pergunto pelas palavras

como são

esquartejadas

umas das outras.

digo que chega

de esquartejarmos as palavras.

digo que nascem

mil pessoas

em silêncio

no lugar

de uma palavra

es

quar

te

ja

da.


Originalmente publicado em Aranhiças&Elefantes.

Etiquetas: