<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11610014\x26blogName\x3devidence+and+chlorine\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://claya.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://claya.blogspot.com/\x26vt\x3d-5922575046210966920', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

sexta-feira, julho 03, 2009

fragment of a poem #2

«Perhaps one always reads in the dark...reading depends on the obscurity of the night. Even if one reads in broad daylight, outside, darkness gathers around the book»
M.Duras


talvez um livro seja só uma forma de estarmos noutro lado qualquer que não este onde estamos. talvez ler seja só partir para nunca mais regressar. talvez tenha partido para onde não há estrelas para saber efectivamente como é estar dentro da noite de um tempo que não existe algures onde estou. talvez estas páginas tenham que ser escritas e tenham que ser lidas para que uma noite não tenha mais dias nenhuns. talvez nenhum dia tenha noite. talvez os livros sejam a única forma de sabermos que além da noite não existe o dia porque num lugar que não tem lugar não pode existir a noite. a não ser que estejamos no lugar dela.

Etiquetas: