<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11610014\x26blogName\x3devidence+and+chlorine\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://claya.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://claya.blogspot.com/\x26vt\x3d-5922575046210966920', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

terça-feira, outubro 24, 2006

m de m

Kevin Bapp


A experiência é pura quando nos deixamos observar pelos objectos que nos absorvem à passagem.

A diferença entre um minuto e outro é apenas fruto da contaminação de que somos alvo, daquilo que deixamos de ser.

A tudo o que passa e fica deixamos apenas a nossa sombra, o que fomos e talvez um pouco do que queremos ser.

Os gritos que nos consomem insconscientemente e que nos ensurdecem todos os dias mais um pouco mais não são do que reflexos dos assustados pedidos de socorro que todos transportamos.



A multidão passa na rua. De repente, pára em massa para observar quem grita e quem, cheio de sangue, não aguentou mais o silêncio. No olhar de todos, o espanto e o vício de consumir a humilhação alheia. No entanto, humilhados foram todos os que não entenderam. Pobre homem.