<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11610014\x26blogName\x3devidence+and+chlorine\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://claya.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://claya.blogspot.com/\x26vt\x3d-5922575046210966920', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

domingo, outubro 15, 2006

visível vs invisível


Por oposição ao que alguns escreveram, "A Barreira Invisível" não tem nada a ver com o padrão de filmes de guerra já vistos. Ele é, sobretudo, um filme de antagonismos genuínos que revela a linha ténue entre o são e o insano. Se "justificado" ou não, necessário ou não, há muito de insano na experiência de guerra. Ela existe e não pára de se recrear.
Este filme, ao contrário de outros (como o Resgate do Soldado Ryan, também do mesmo ano), nunca levanta a ideia de que devemos apenas parar de guerrear, com a simbologia antitética do bom versus mal (ou EUA vs Resto do Mundo). Ao invés, faz uma análise da guerra como algo intrínseco à espécie humana, e mostra como os seres humanos enquanto indivíduos se adaptam a qualquer circunstância, mantendo-se a comer, a respirar e sim, a matar.
É mais do que um filme, é um workshop intensivo sobre como viver no fio da navalha ou, se preferirem, sobre a fina linha vermelha. A forma como as perspectivas humanas de um dos mais brilhantes elencos jamais vistos em cinema é retratado.
Como todas as obras de arte, as películas têm uma influência preponderante na mente humana. Desde a beleza à dor, do triunfo ao desespero. Este filme cumpre todos os requisitos, não caíndo no erro hollywoodiano de manipular os espectadores mais patriotas.

JC