<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11610014\x26blogName\x3devidence+and+chlorine\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://claya.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://claya.blogspot.com/\x26vt\x3d-5922575046210966920', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

quarta-feira, outubro 08, 2008

poema a quatro mãos


fingíamos que as mãos nos doíam e que por isso não podiam as mãos escrever. as mãos escreviam apenas o que era dentro dos dedos e o que os dedos tinham eram nada além do corpo que desejavam todo entre os dedos. entre o desejo e a dor não sobrava nada. a fundura da noite e o frio da janela era o que somente tínhamos quando nos doíam as mãos. quando nos doíam as mãos, falávamos só. no subir da noite dizíamos as palavras que não podíamos escrever e a dor que nos fazia doer as mãos era a mesma que estava por dentro das palavras mas era ainda mais a que estava por dentro do silêncio entre as palavras que dizíamos. e as palavras que nos fugiam por causa da dor das mãos soltavam-se assim à procura do lugar delas entre uma coisa e a outra que era o antes e o depois das mãos doerem. aquele depois em que as mãos já não doíam e já podíamos escrever as palavras todas que quiséssemos sem nos magoarmos a nós nem às palavras. mas era no antes do depois que estávamos ainda, e no entretanto, desencontravam-se as palavras da dor e nós do que dizíamos. a muito custo, entre o depois e o antes do depois, as mãos escreveram.

Etiquetas: