<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11610014\x26blogName\x3devidence+and+chlorine\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://claya.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://claya.blogspot.com/\x26vt\x3d-5922575046210966920', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

quarta-feira, outubro 26, 2005

Gonçalo M. Tavares e a cidade sagrada (tributo)

Em Jerusalém, Gonçalo M. Tavares, vencedor do Prémio José Saramago, edição de 2005, confirma o estatuto que foi conquistando no imenso e diversificado espaço da produção literária portuguesa dos últimos anos. A partir das histórias individuais e da matriz genética de Kaas, Mylia, Hanna, Ernst e Theodor Busbeck, o autor constrói o enredo cuja condensação se traduz num espaço maciço de conflitos psíquicos e físicos, ideológicos e metafísicos que se estabelecem a partir de um nada formalizado na consciência da ausência de um Deus justo e pacificador. Na ausência desse Deus, a loucura e a violência, e tudo o que a isto anda associado, parecem assim sobrepor-se como pilares angulares e devoradores perante a debilidade e a fragilidade de cada ser humano, tipificado em cada uma das personagens referidas (uma criança deficiente, um médico investigador obsessivo, uma prostituta, uma mulher esquizofrénica visionária e um homem esquizofrénico suicida). Recorrendo a uma linguagem simples mas cerebral porque oportunamente burilada e elaborada e, no entanto, muito à margem do fenómeno do estorcimento (des)caracterizador de alguma da produção literária contemporânea, Gonçalo M. Tavares cumpre o objectivo que ele próprio, a certa altura, descreve na obra premiada: "(...) o mundo prático - que ele se sentia representar - estava naquele instante a punir os raciocínios e uma certa vida orgulhosa que julga poder existir, do princípio ao fim, sem precisar dos outros."(TAVARES, Gonçalo M., Jerusalém, Lisboa: Caminho, 2005, pág.123)